Toda vez que tenho uma viagem marcada as pessoas me perguntam para onde eu vou e com quem. Na maioria das vezes respondo que vou sozinho e a resposta quase unanime que recebo é a mesma: nossa, que corajoso.

Viajar é algo muito bom mas quando se trata de uma viagem sozinho é comum relacionar com o medo. Mas por que será que as pessoas tem tanto medo de viajar sozinhas? Medo de se perder? Medo de ficar sozinha e não ter alguém para conversar? Pois é, antes da minha primeira viagem sozinho eu tinha essas dúvidas na cabeça. Mas eu resolvi arriscar e depois de conversar com alguns amigos que já tinham feito isso parti para minha primeira viagem ”sozinho”.

Vitor em cima do carro no meio do Salar do Uyuni

Fim de tarde no Salar do Uyuni, apenas mais uma das viagens que fiz “sozinho” pelo mundo. (Foto: Vitor Holz)

Depois de me mudar para Budapeste em 2014, decidi viajar para a Bélgica mas não tinha nenhum amigo que pudesse ir comigo. A primeira coisa que eu pensei? Será que vale a pena ir mesmo que seja sozinho? Bom, eu não tinha escolha. Se eu não fosse eu iria ficar em casa e iria sempre depender dos outros para poder viajar. Então decidi arriscar e viajar sozinho! As vezes é preciso arriscar, ter essa coragem de fazer algo que não temos certeza no que vai dar. Mas na hora de viajar a ansiedade era grande e as perguntas na minha cabeça ainda geravam uma apreensão sobre o aproveitamento da minha viagem. Uma das que mais me preocupava era ficar sozinho. Logo que cheguei no hostel encontrei pessoas que estavam na mesma situação que eu. Essa é uma das vantagens de se viajar sozinho. Você sente necessidade de conversar com as pessoas e é assim que você conhece pessoas do mundo inteiro que tem um pouco para te contar, um pouco pra te ensinar. E claro, você também ensina, afinal as pessoas tem curiosidade de saber sobre você, sobre sua cidade. Quando viajamos com amigos ou família, temos a tendência de nos limitarmos àquele grupo de rostos familiares, e embora você vá encontrar pessoas novas, as dinâmicas e interações não serão tão profundas.

grupo de amigos jantando em um hostel

A cada hostel são várias amizades, cada uma de um lugar diferente do mundo. (Foto: Vitor Holz)

Tente lembrar da sua última viagem e do rendimento. Posso apostar que se foi com amigos você teve que esperar algumas vezes alguém que demora para se arrumar ou teve que ir a algum lugar que não queria porque seu amigo não podia voltar para casa sem ir lá. Pois é, quando você viaja sozinho você dita o ritmo da viagem. Você vai aonde você quer (e não tem alguém para reclamar que é longe ou quer ir embora). Viu como viajar sozinho tem seu lado bom? Mas não é só isso! Quando você viaja sozinho o processo de imersão na cultura local certamente é bem mais profundo e você tende a prestar mais atenção em tudo. Você precisa planejar a viagem, você monta seus roteiros, você precisa se comunicar com as pessoas quando precisa de alguma informação. Sem perceber você vai aprendendo sobre aquele lugar, os costumes e a cultura. Lembro de uma vez que eu estava na Rússia e era muito difícil encontrar alguém que falasse inglês e eu não sabia nem ler as palavras com aquele alfabeto cirílico. Mas para conseguir fazer algumas perguntas bem básicas eu precisei fazer um intensivão de russo (1 hora!) para perguntar algumas direções. Acho que serviu haha.

Amigos tirando uma selfie no museu espacial russo.

Selfie com os novos amigos no museu espacial de Moscou, Rússia. (Foto: Vitor Holz)

Viajar sozinho é um tempo de aprendizado individual que te ajuda a se tornar uma pessoa mais aberta e mais madura. Você passará por perrengues e estará sozinho para resolve-los. Você vai precisar lidar com o tempo, com o dinheiro e fatores inesperados e vai se surpreender quão bom você responderá a desafios. Uma vez eu estava indo para a rodoviária e faria uma viagem de 12h mas resolvi parar para fazer um lanche porque eu estava com fome e achava que tinha tempo (a barriga pensando mais alto que o cérebro). O lanche atrasou e eu perdi o ônibus. Era quase meia noite, eu estava em um país bem diferente e não tinha muito dinheiro, mas precisava chegar no destino o mais rápido possível gastando pouco porque eu não estava com muito dinheiro e ainda precisa descansar. Peso na consciência até hoje de ter comido aquele lanche. Mas diante das adversidades precisei ser rápido e pensar na decisão certa a se tomar.

5 viajantes amigos saltando ao mesmo temo no deserto

Amigos novos te proporcionam novas ideias de fotos. (Foto: Vitor Holz)

A falta de segurança gera algumas preocupações mas a escolha do destino é fundamental para garantir uma viagem tranquila. Infelizmente existem lugares que não são tão seguros para viajar sozinho, mas o mundo é muito grande e existem lugares maravilhosos que você pode viajar e ter a certeza que as pessoas te receberão bem. Países do leste europeu, por exemplo, são bem tranquilos para viajar.

Colocar a mochila nas costas e viajar é algo tão incrível que algumas palavras não são capazes de descrever a sensação ao voltar de uma viagem. É algo tão viciante que sempre que volto de um lugar já estou contando as moedinhas para programar a próxima viagem para um lugar que só ouvi falar, mas que já tenho amigos para visitar. Deixa de lado o medo e vá descobrir o mundo. Tenho certeza que renderá muitas histórias para contar.


Conte sua história também, essa foi contada pelo nosso amigo:

Vitor Holz

Vitor Holz

Capixaba, estudante de engenharia mecânica e louco por viagem. Sonhador e determinado, não perde uma oportunidade de conhecer uma nova cultura com as mochilas nas costas.

 

Posts relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *